12.10.2008

O que gastronomia tem a ver com relacionamento?


Outro dia eu tava em casa, sozinho, naquele sabadão, dando uma de “dono-de-casa”. (Sabe? Aqueles dias que a gente liga o som bem alto e coloca aquelas músicas inspiradoras pra mandar ver na faxina?) Depois de varrer a tudo e passar pano, recolher o lixo e lavar a roupa suja, fui tomar uma senhora “chuveirada” e me preparar para fazer aquele almoço merecido.

Foi então, que, entre um gole e outro de um bom vinho argentino (comprado, acredite, por apenas R$ 13,00 no supermercado), enquanto procurava na geladeira e no armário os ingredientes pro rango, que comecei a ter um daqueles momentos de iluminação que a pessoa tem vez ou outra na vida...

Parei pra pensar e me dei conta de uma parada muito louca: cozinhar tem tudo a ver com namorar, ficar, casar, se enrolar, enfim, com as questões de relacionamento que todos nós vivemos ao longo da nossa vida. Vamos ver se eu consigo deixar as coisas melhor explicadas...

Primeiramente, é preciso definir o que você quer... Vai ser apenas um lanche rápido, ou uma obra de arte da gastronomia? Sim, porque essa escolha vai determinar tanto o seu grau de envolvimento com a cozinha quanto o seu empenho em fazer com que tudo dê certo.

Então, qual é a sua? Tá numa de só ficar, curtir, beijar ou tá procurando algo mais duradouro?

O lanchinho requer, nada mais, nada menos, que um pouco de boa vontade e criatividade de sua parte. É dar uma olhada na despensa e na geladeira. Vale queijo, presunto, salsicha, salame, conserva, alface, ovo frito, o bife, a carne assada ou o “boi ralado” que sobrou de ontem, peito de frango, resto de cebola e tomate, tomate seco, sei lá... Seja inventivo e descubra que, pra matar a fome, basta abrir a boca. (perdoem a duplicidade de sentido, que, a essa altura é inevitável!). Não esqueça dos sempre bem-vindos catchup e maionese e se gostar, pimenta.

No entanto, se você já está numa relação estável, com um período de duração um pouco mais extenso (quando os lanchinhos já não devem mais coexistir com você...), talvez seja importante aprender com a gastronomia algumas dicas interessantes para aplicar no seu dia-a-dia. Então pensemos num jantar à dois.

Assim como numa relação, preparar um jantar à dois, também requer conhecimento, sensibilidade, paciência, experiência, senso apurado, criatividade, dentre outras “cositas más” que, infelizmente, vamos deixando de lado com o passar do tempo e conforme a gente vai “se acostumando” com a outra pessoa.

Cozinhar deve ser, antes de tudo, uma atividade prazerosa. Você precisa gostar daquilo que vai fazer, se deixar envolver e curtir cada momento. (Como, aliás, deveria ser também quando você está com alguém especial, alguém de quem você gosta de verdade.)

Escolha o que vai fazer e selecione com carinho todos os ingredientes. Deixe suas mãos sentirem o que você está fazendo. O corte da carne e dos vegetais, com firmeza e ao mesmo tempo delicadeza. Permita-se sentir o cheiro de cada tempero. Descubra como cada um deles acrescenta e modifica aos poucos a cor, o aroma, a consistência, o visual. Saiba o momento certo de intervir. De acrescentar água, sal, azeite, de baixar o fogo e regular a temperatura. Aprenda a misturar, a mexer na panela. Idealize a apresentação final. A mesa arrumada. O vinho. As taças. Os talheres. Depois, o melhor. O prazer de ver quem você convidou, fechando os olhos com a primeira garfada e adorando tudo que você fez.

Amigos, um relacionamento a dois não tem que ser assim? Não é o que a gente sempre deseja?

Não se trata de uma receita, mas uma experimentação diária, na qual você deve fazer o máximo para dar e receber, sentir e ser sentido, amar e ser amado. Precisa ser vivenciado com dedicação, com esmero. Você precisa se permitir essas coisas. Experimente! Comece a treinar na cozinha. Mais tarde você acaba levando seus conhecimentos culinários pro seu relacionamento. Que tal?

Ahhh, ia esquecendo...

Não se esqueça de usar pimenta de vez em quando. No prato ou na relação, sempre rola deixar as coisas quentes e apimentadas de vez em quando. Heheh.