6.03.2008

SOBRE COMEÇO, MEIO E FIM...


É estranho voltar a escrever depois de tanto tempo... Mais estranho ainda, é voltar a ler dois anos depois, tudo que eu mesmo havia postado, mas acho que é assim mesmo que tinha que ser...

É como se uma força maior que a gente não sabe ao certo de onde vem, trouxesse à memória alguns capítulos da vida que a gente teima em esquecer. Com o tempo, não nos damos mais conta do quão cíclica é a vida. Um vai e vem que faz tornar a acontecer, cedo ou tarde, tudo o que já achávamos ter vivido antes. Foi nessas circunstâncias que me vi hoje... Foi assim que vim parar aqui, de novo...

Hoje, subitamente e sem nenhuma possibilidade de controle emocional, fui tomado a sentir algo que tive o desprazer de sentir umas poucas vezes na vida (dica: começa com “cóle” e termina com “ra”).

As pessoas se esforçam em nos tirar do sério. Ainda mais quando agem como se nós fôssemos completos imbecis. Como se não tivéssemos o mínimo de discernimento. Como se fôssemos plantas, não gente. E olha que eu sempre fui quase um monge budista, um verdadeiro lord inglês. Odeio perder a cabeça, mas quando o faço, faço com aquela velha classe suíça (adquirida nos melhores estábulos, claro.) Ah, e tem um detalhe: acabei descobrindo que a internet é uma arma letal pra gente descarregar bem no peito de em quem nos faz sentir coisas que não temos que sentir e que não merecemos sentir.

Soa como desabafo, e de certa forma é. Sou humano. Tenho sangue (e latino ainda por cima!). Mas preciso deixar claro o porquê disso tudo, e tem a ver com começo, meio e fim. A gente ama, mas tem que se amar mais, sempre...

O começo, todo mundo sabe como funciona. Paixão, excitação, desejo, saudade, respeito (quando eu falar do fim, volto a esse ponto de novo), vontade de estar junto, dedicação e vários et ceteras.

O meio geralmente dá uma esfriada, é normal, mas deveria sempre se transformar num sentimento maduro, de cuidado, de atenção, de confiança, de respeito (ih, ele de novo!). Se a gente passa por cima das diferenças e das burradas que os dois fazem e supera tudo isso, perdoando de forma mútua, corre um sério risco de virar o tão falado amor. Mas isso depende de tantos fatores que levaria uma postagem inteira (e prometo que ainda vou fazer) sobre isso.

Vamos ao fim... Pra simplificar: se acaba o amor, acaba tudo. Mas se acaba, além do amor, o respeito, com todo o respeito, então fudeu!

Não sei como a gente é tão burro a ponto de deixar as coisas chegarem a um extremo tão grotesco. Geralmente, o outro sinaliza (e muito) que acabou, mas a teimosia faz a gente insisir e tentar enxugar o oceano. A gente mesmo, no fundo sabe que não é mais há muito tempo, mas se permite ouvir a minha frase preferida: "Não vê que estamos fazer dar certo, algo que desde o começo nunca deu certo?". Ahahahahaha... Eu rio, porque estou ficando mestre em ouvir isso. Mas nada pode ser pior do que ser acusado de falta de dedicação e ainda ter que tomar conhecimento dos planos sórdidos de "curtir a vida" (como se nunca tivesse sido feliz com você), "fazer o que der vontade" (todo mundo esquece nessa hora de tantas loucuras que são feitas juntos), "vou cuidar da minha vida" (parece que você, o namorado imbecil, nunca se preocupou com ela).

Tudo isso, pra fazer você se sentir a pior das criaturas, o culpado de tudo, sentenciado a ter peso na consciência pro resto da vida e quem sabe procurar um psicanalista e fazer análise.

Mas a verdade por trás dos fatos é apenas uma: sem amor, é possível ao menos coexistir, sem respeito, não.

Se tudo tem começo, meio e fim... Então fim...

PS: A foto dol post é uma Flor de Lis, referida na música do Djavan... Um pedaço da letra, está no começo do blog.

3 comentários:

  1. Anônimo9:33 AM

    Sinto falta das noites de sextas-ferias, do som da sua guitarra. Vc é importante pra mim.
    Beijos e fica bem.

    ResponderExcluir
  2. Camilla Leiria1:10 PM

    Finalmente esse blog voltou a funcionar, que bom! Mas vc poderia aproveitar toda sua inteligência e postar umas coisas legais relacionadas à publicidade, afinal de contas, bagagem vc tem o bastante e eu ia gostar muito de continuar aprendendo coisas com vc! Beijão

    ResponderExcluir
  3. Anônimo12:37 AM

    Você foi meu começo, meio e o fim espero que não chegue tão cedo.
    Adoro você
    bjs.

    ResponderExcluir